Caldas da Rainha, Water that Heal Queens / As Águas que Curam Rainhas

Caldas da Rainha was part of the ancient Lusitania, inhabited by Romans who took advantage of the sulphurous waters sprouting in the region, however, Barbarian invasions destroyed most of the Roman-built baths.

By the 13th century, the springs were known as “caldas de Óbidos”, after the nearby town. At this time, a Benedictine order looked after the needs of the poor and cared for the lepers and rheumatics, who sought the healing waters. With the disbandment of the Benedictine order by the 15th century, the area fell into disrepair.

Hospital Termal das Caldas da Rainha

The town owes its name to the thermal spring that was much appreciated by Queen Dona Eleonor, wife of the 15th century King Dom João II.

One day in 1484, while traveling from Óbidos to Batalha, she happened upon a group of peasants bathing in foul-smelling waters by the roadside. The queen stopped to inquire about this oddity, and the bathers told her that the waters possessed curative powers. She decided to try them for her own afflictions and was pleased to find that she was quickly relieved.

The queen ordered a hospital to be built on the site so that others could enjoy the same relief. Construction began the following year, and although the first patients were admitted in 1488, the works were not completed until about 1496 or 1497.

Eleanor was extremely wealthy and used much of her money for charity. In 1498, she spearheaded the creation of the Santa Casa da Misericórdia as confraternities with humanitarian purposes, especially the care of the poor, the sick, and abandoned children.

The original foundations survive today, and more have since been founded in other towns and cities of Portugal and in the Portuguese colonies. To finance the Caldas da Rainha hospital and its adjoining church, the queen sold her jewels and used income from her landholdings.

The name of the settlement that grew around the site and became Caldas da Rainha refers to both its founder and the reason for its existence. The city’s name can be translated as “Queen’s Hot Springs”, “Queen’s Spa” or “Queen’s Baths”.

The town continued to grow, reaching its heyday in the late 19th and early 20th century, at a time when it was a fashionable spa and one of the places chosen by the nobility and aristocracy.

Caldas da Rainha’s coat of arms was granted by Queen Leonor, before municipal coats of arms were typically used in Portugal. The centre of the city’s arms consist of the queen’s personal arms, flanked on the right by a shrimping net, to commemorate the fishermen who rescued her drowning son Prince Afonso, and on the left a pelican feeding its young, a symbol of her husband, King João II.

Igreja de Nossa Senhora de Pópulo

This church, considered a Portuguese national monument, took shape at the end of the 1400s. The man in charge was Mateus Fernandes, a master of the Manueline style who spent more than 25 years working on the World Heritage Batalha Monastery.

The surviving decoration from this time is in the vault, which has elaborate ribbonwork and keystones with floral motifs and a central coat of arms. It is above a marvellous altarpiece, carved from marble in the late Renaissance.

The rest of the church was transformed over time, with a dramatic change coming in the 1600s when the walls of the nave were given a layer of atapete (carpet-patterned) tiles.

20th century

During World War I, Portugal joined the Allies and by 1916, most Germans in Portugal were deported, but men aged 15–45 were imprisoned to prevent their joining the German military. Originally, all of the approximately 700 prisoners were shipped to Azores, where they were held at the Fortress of São João Baptista.

In 1918, to reduce overcrowding at the fortress, 168 internees were moved to Caldas, 1 of the 3 internment camps in the country. The prisoners were released the following year, after the end of the war.

During World War II, the town was also chosen as a place of refuge by many foreigners fleeing from Nazi persecution.

Pottery

The activity has developed historically in the region from the clay rich soils, which is indicated, for example, in the toponymia Bombarral, where “barral” (or “barreiro”) means a place from which clay is drawn.

The first phase of Caldense pottery began in the 1820s, with the production of D. Maria dos Cacos, characterized by copper-green or manganese monochrome of utilitarian (functional) pieces of popular taste. A second moment is marked, in the middle of the century, by the renovation introduced by Manuel Cipriano Gomes Mafra, later led at its apex by Rafael Bordalo Pinheiro and his disciples, such as Francisco Elias.

The pieces produced since then are characterized by the profusion of formal models, as well as by a diversified approach to decorative themes. The main types of the call “dishes of the Caldas” are:

  • Utilitarian
  • Kitchenware – presented in two distinct approaches: the contemporary, with simple lines and design, for daily use; and the naturalist, representing leaves of cabbage, lettuce, fish, fruit, sausage, etc.
  • Humorous / Peculiar
  • Decorative
  • Erotic
  • Caricaturist
  • Naturalist

The caricatural dishes originally had professions (priests, fishermen, farmers) stereotyped in a sarcastic and derogatory way. Currently the figures represent politicians or celebrities, although the most popular traditionally is, without a doubt, “Zé Povinho”. This character, created by Rafael Bordalo Pinheiro for “A Lanterna Mágica”, has been established since its creation as a stereotype, being used as a symbol of Portugal and the Portuguese people.

Praia da Foz do Arelho

On one side you have the roaring Atlantic waves, but you only need to walk a few metres across to the inward-facing beach lapped by the warm and transparent waters of the lagoon. It is a wonderful beach that almost defies description: a sandbank where the Óbidos Lagoon enters the ocean.

And the most important thing: provided you look out for the changing tides, children can swim and play here in safety, which is quite rare on the Atlantic shoreline.

Gastronomy

Typical dishes use the produce from Óbidos Lagoon, such as Lagoon Eel Stew, Caldeiradas and Lagoa shellfish.

It also shows an influence of the conventual culture, as the Muggles of the Caldas, the lamprey of eggs, the cakes and the famous cavacas and the kisses, are references of the wealth, the singularity and cultural identity of the city. Both cavacas and Caldas kisses provide distant times, their confection is related to the parish of St. Gregory, where were born the sisters Rosalina and Gertrudes Carlota, two candy in the Court, who were forced to leave their position after the assassination of King Carlos. Both returned to their homeland and began to confection and sell the famous sweets, next to the Thermal Hospital, in Caldas da Rainha.

You can live Caldas da Rainha in our tour: Portugal by the Royals.

  • Zé Povinho
  • Hospital Termal das Caldas da Rainha
  • Igreja Nossa Senhora do  Pópulo
  • Praia da Foz do Arelho
  • Hospital Termal das Caldas da Rainha

Caldas da Rainha nasceu da antiga Lusitânia, habitada por romanos que aproveitavam as águas sulfurosas que brotavam na região, no entanto, as invasões bárbaras destruíram a maioria dos banhos construídos pelos romanos.

No século XIII, as nascentes eram conhecidas como “Caldas de Óbidos”, de acordo ao nome da cidade vizinha. Neste momento, uma ordem beneditina cuidava das necessidades dos pobres e das pessoas que procuravam as águas curativas. Com a dissolução da ordem beneditina no século XV, a área caiu em desuso.

A cidade deve seu nome à fonte termal que foi muito apreciada pela rainha Dona Leonor, esposa do rei D. João II do século XV.

Hospital Termal das Caldas da Rainha

Um dia, em 1484, quando viajava de Óbidos para a Batalha, a Rainha Dona Eleanor encontrou um grupo de camponeses banhando-se em águas fedorentas à beira da estrada. A rainha parou para perguntar sobre essa esquisitice, e os banhistas lhe disseram que as águas possuíam poderes curativos. Ela resolveu tratar um problema que tinha nas mesmas águas e ficou muito satisfeita ao constatar o poder das águas.

A rainha pediu que um hospital fosse construído no local para que outros pudessem desfrutar do mesmo alívio. As obras não foram concluídas até cerca de 1496 ou 1497.

D. Eleanor era extremamente rica e usava muito do seu dinheiro para caridade. Em 1498, ela liderou a criação da Santa Casa da Misericórdia como uma irmandade com fins humanitários, para doentes e crianças abandonadas. As fundações originais sobrevivem até hoje e se propagaram por outras cidades de Portugal e nas colônias portuguesas. Para financiar o hospital de Caldas da Rainha e a sua igreja adjacente, a rainha vendeu as suas jóias e usou os rendimentos das suas terras.

O nome do povoado que se desenvolveu em torno do local e se tornou Caldas da Rainha refere-se tanto à sua fundadora como à razão da sua existência.

A cidade continuou a crescer, atingindo o seu apogeu no final do século XIX, numa altura em que era um spa da moda e um dos locais escolhidos pela nobreza e pela aristocracia.

O brasão das Caldas da Rainha foi concedido pela Rainha D. Leonor, antes de os brasões municipais serem usados ​​em Portugal. A parte central das armas da cidade é composta pelas armas pessoais da rainha, flanqueadas à direita por uma rede de pesca, para comemorar os pescadores que resgataram seu filho que se afogava, Príncipe Afonso, e à esqueda um pelicano alimentando seu filhote, um símbolo do Rei João II.

Igreja de Nossa Senhora do Pópulo

Esta igreja, considerada monumento nacional português, tomou forma no final dos anos 1400. O responsável era Mateus Fernandes, um mestre do estilo manuelino que passou mais de 25 anos trabalhando no Mosteiro da Batalha, Patrimônio da Humanidade.

A decoração oriunda desta época se encontra na abóboda, elaborada com fitas, pilares, motivos florais e um brasão central. Fica logo acima de um retábulo maravilhoso, esculpido em mármore, do final do Renascimento.

O restante da igreja transformou-se com o tempo, sofrendo uma mudança dramática em 1600s quando as paredes da nave principal foram recobertas por azulejos.

Século 20

Durante a Primeira Guerra Mundial, Portugal juntou-se aos Aliados e, em 1916, a maioria dos alemães em Portugal foi deportada, mas os homens com idades entre 15 e 45 anos foram presos para evitar que se juntassem aos militares alemães. Originalmente, todos os cerca de 700 prisioneiros foram enviados para os Açores, onde foram detidos na Fortaleza de São João Baptista.

Em 1918, para reduzir a superlotação da fortaleza, 168 internos foram transferidos para Caldas, 1 dos 3 campos de reclusão do país. Os prisioneiros foram libertados após o final da guerra.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a cidade recebeu vários refugiados da perseguição nazista.

Cerâmica

A atividade desenvolveu-se historicamente na região de solos ricos em argila, onde “Barral” (ou “barreiro”) significa um lugar de onde se retira argila.

A primeira fase da olaria Caldense começou com a produção de D. Maria dos Cacos, caracterizada pelo monocromo cobre-verde ou manganês de peças utilitárias (funcionais) de gosto popular. Um segundo momento foi marcado, no meio do século, pela renovação introduzida por Manuel Cipriano Gomes Mafra, posteriormente conduzida por Rafael Bordalo Pinheiro e seus discípulos, como Francisco Elias.

As peças produzidas desde então são caracterizadas pela profusão não só de modelos comuns, bem como pela abordagem diversificada de temas decorativos. Os principais tipos do prato “da cerâmica de Caldas” são:

  • Utilitários
  • Utensílios de cozinha – apresentados em 2 abordagens distintas: a contemporânea, com linhas e design simples, para uso diário; e o naturalista, representando folhas de repolho, alface, peixe, frutas, linguiça, etc.
  • Cómico / Peculiar
  • Decorativo
  • Erótico
  • Caricaturista
  • Naturalista

As cerêmicas caricaturais originalmente retratavam profissões (sacerdotes, pescadores, fazendeiros) estereotipados de maneira sarcástica e pejorativa. Tradicionalmente as figuras representam políticos ou celebridades, embora “Zé Povinho” seja o mais popular. Este personagem, criado como um estereótipo por Rafael Bordalo Pinheiro para “A Lanterna Mágica”, sendo usado como um símbolo de Portugal e do povo Português.

Praia da Foz do Arelho

Por um lado, você tem as ondas do Atlântico rugindo, mas apenas para andar alguns metros para a praia voltada para o interior pelas águas quentes e transparentes da lagoa. Descrição: um banco de areia onde a Lagoa de Óbidos entra no oceano. E o mais importante: desde que você cuide das mudanças das marés, as crianças podem nadar e brincar aqui em segurança, o que é bastante raro na costa do Atlântico.

Gastronomia

Variada e rica, explora caldeiradas, pargos e robalos de Peniche e da Nazaré, juntando os mariscos dos viveiros de Porto das Barcas e as enguias e amêijoas da Lagoa de Óbidos.

Remontando à fundação do reino e à sabedoria dos monges dos conventos e mosteiros da região de Alcobaça, criando a tradição da doçaria conventual. Esta influência conventual, das trouxas, lampreias de ovos, das cavacas das Caldas da Rainha, aos pastéis de feijão de Torres Vedras e aos pães-de-ló do Landal, Painho e Alfeizerão. Nunca esquecendo do aroma e sabor das maçãs, das peras rochas e das uvas.

As Cavacas das Caldas fazem assim parte da gastronomia típica da região de Caldas da Rainha, que ao constituir-se num ponto forte de atração à cidade, a história da sua confeção estará para sempre ligada à freguesia de S. Gregório, mais precisamente à aldeia da Fanadia, local onde nasceram as irmãs Rosalina e Gertrudes Carlota.

Estas duas senhoras, segundo reza a história, ficaram célebres por exercerem a atividade de doceiras, em Lisboa, na corte do Rei D. Carlos. Porém, com a crise e a queda da Monarquia, em resultado do Regicídio de 1908 e da implantação da República a 5 de outubro de 1910, as mesmas senhoras voltaram à sua terra natal, tendo-se dedicado, junto ao Hospital Termal, à venda de cavacas e beijinhos, tornando-se na própria imagem da cidade!

Você pode viver Caldas da Rainha em nosso roteiro: Portugal da Realeza.